O ministro da Saúde da Alemanha, Daniel Bahr, esteve na Fiocruz na sexta-feira (24/5) para debater com gestores da instituição a renovação de algumas parcerias além de possibilidades de desenvolvimento de novas cooperações.

Acompanhado por representantes do parlamento federal alemão, da área de política europeia e internacional da saúde e do mercado da saúde, Bahr afirmou que a cooperação vai contribuir para o combate a doenças infectocontagiosas nos dois países, um problema que, segundo ele, tem sido vivenciado mais intensamente por todo o mundo, devido ao processo de globalização. “A Fiocruz é uma instituição de renome na Alemanha e nosso interesse com a Fundação seria o trabalho em conjunto entre pesquisadores brasileiros e alemães nas mesmas questões. Além disso, gostaríamos de oferecer bolsas pra pesquisadores alemães no Brasil ou vice-versa, facilitando assim o trabalho entre a Fiocruz e instituições alemãs”, afirmou.

O coordenador do Cris, Paulo Buss, sugeriu a ampliação das relações entre a Fundação e institutos de saúde alemães, por meio da elaboração de projetos conjuntos de pesquisa e da concessão de bolsas de estudo de pós-doutorado a pesquisadores dos dois países. “Falamos muito em formar esse tipo de parceria, mas ainda fazemos pouco para concretizar isso”, disse.

Ele também propôs a participação da Alemanha na Rede de Institutos Nacionais de Saúde (Rins), que tem a Fiocruz entre seus participantes e envolve institutos dos países membros da Unasur (União de Nações Sul-Americanas) e da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa). “Até o momento, além de países da América Latina e da CPLP, só participam da rede países americanos. A entrada da Alemanha nessa rede seria marcante para nós, o ministério da saúde alemão poderia estar presente já na próxima reunião da Rins, isso seria muito importante”, sugeriu. Para Bahr, a possibilidade de cooperar na Rins também é bem vista pela Alemanha. “Temos muito interesse em participar dessa cooperação sul-sul com financiamento do Ministério da Cooperação e Desenvolvimento”, afirmou.



*Agência Fiocruz de Notícias