Dando continuidade à parceria com instituições de saúde peruanas, a Fiocruz recebeu em 25 de abril a visita da ministra da saúde do Peru, Midori Habish, e do chefe institucional do Instituto Nacional de Saúde (INS) peruano, César Cabezas, para a elaboração de um plano de trabalho preliminar que prevê ações nas áreas de recursos humanos e de produção de medicamentos e reagentes. O documento foi baseado no memorando de entendimento assinado no dia anterior, 24/04, em Brasília, entre os ministérios da saúde brasileiro e peruano. Para Midori, o acordo aprofunda a cooperação entre a Fiocruz e o Peru em um momento oportuno, já que o país está passando por uma reforma no sistema público de saúde. “A Fiocruz é uma instituição de excelência em termos de inovação, pesquisa e desenvolvimento. Acreditamos que a cooperação fortalecerá nosso Instituto Nacional de Saúde”, declarou.

O plano de trabalho, que será detalhado, revisado e concluído até julho deste ano, prevê a formação de recursos humanos em saúde, a transferência de tecnologia para a produção de medicamentos e reagentes diagnósticos além do desenvolvimento tecnológico e de pesquisas cientificas conjuntas. O plano será implementado de acordo com os princípios da cooperação estruturante nas relações internacionais brasileiras coordenadas pelo MS/Aisa e pelo Cris/Fiocruz, com países da América do Sul.

Segundo o coordenador do Centro de Relações Internacionais em Saúde (Cris/Fiocruz), Paulo Buss, “a parceria vai ampliar a cooperação já existente entre a Fundação e instituições de saúde peruanas, pois tem como foco não somente a consolidação do INS/Peru, mas também a capacitação de recursos humanos e a transferência de tecnologias, medicamentos e reagentes diagnósticos”. Ele também frisou que a cooperação será de grande valia para o sistema de saúde peruano, já que vai auxiliar o país na configuração de uma reforma sanitária em busca de um sistema único de saúde (SUS). “Ao contrário do Brasil, que já realizou essa unificação na saúde, o sistema de saúde peruano ainda está dividido e busca fazer uma reforma sanitária ao seu estilo, olhando a experiência brasileira. Essa parceria vai ajudar o Peru em muito em termos de saúde pública, vigilância sanitária e produção de medicamentos e insumos para a saúde”, concluiu.