Dois exemplos de cooperação internacional da Fiocruz, coordenados pelo Cris, são a inauguração da fábrica de medicamentos em Moçambique e do Espaço de Saúde Zilda Arns, no Haiti, ambos em julho.

Em Moçambique, a cerimônia para celebrar o fim das obras da unidade de produção ocorrerá neste sábado (21/7), na capital Maputo, no final da cúpula da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP). Oficialmente denominada Sociedade Moçambicana de Medicamentos (SMM), a unidade fabril é a primeira instituição pública no setor farmacêutico do continente africano. A iniciativa faz parte do acordo de cooperação entre os dois países e deve beneficiar cerca de 2,7 milhões de pessoas que vivem com HIV/Aids naquele país. Nesta primeira etapa, serão rotulado 3.255 frascos de Nevirapina 200 mg, o que equivale a 195.300 unidades farmacêuticas.

Já no Haiti, o Espaço de Saúde Zilda Arns foi inaugurado em 18 de julho, em Porto Príncipe - Haiti - como sede oficial das atividades técnicas e negociações do Projeto Haiti. O espaço é fruto da cooperação firmada entre os governos do Brasil, de Cuba e do Haiti, que tem por objetivo reestruturar o sistema de saúde haitiano, abalado pelo terremoto que atingiu o país em 2010.

A partir de iniciativas nas áreas de capacitação e ensino, higiene, saúde pública e saneamento, a Fiocruz contribui para fortalecer a autoridade sanitária haitiana e reestruturar o sistema de assistência à saúde e de vigilância epidemiológica.